Ceará tem o melhor saldo de emprego para abril desde 2014 e resultado é o maior do Nordeste

25 de maio de 2018 - 08:06

O Ceará apresentou, em abril deste ano, saldo positivo de 3.098 vagas de trabalho com carteira assinada, o maior saldo para o referido mês desde abril de 2014, quando o total registrado foi de 4.463 postos de trabalho. É também o melhor desempenho obtido em 2018. A Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) foi responsável pela geração de 2.520 vagas e o Interior por 578, contrariando completamente o registrado em igual mês de 2017, quando ambas as regiões destruíram postos de trabalho com carteira assinada. Os dados estão no Enfoque Econômico (nº 188) – Desempenho do Emprego Celetista Cearense – abril de 2018, que acaba de ser publicado pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Estado.

O estudo, elaborado por Alexsandre Lira Cavalcante, analista de Políticas Públicas, que contou com a colaboração dos estagiários Matheus dos Santos Carvalho e Heitor Gabriel Silva Monteiro, todos do Ipece, também revela que, partindo da análise do desempenho do emprego celetista por estados da federação, São Paulo foi o que gerou mais empregos com carteira assinada (44.426 vagas), seguido por Minas Gerais (23.563 vagas) e Paraná (9.228 vagas). O Ceará aparece no ranking em 8° lugar, com os 3.098 postos, a maior participação do Nordeste, tendo respondido por mais de 50 por cento do saldo de empregos da referida região. O acumulado no Ceará até abril de 2018 foi o primeiro positivo da série ajustada desde o agravamento da crise em 2015.

Dos 181 municípios cearenses, 88 apresentaram saldo positivo na geração de emprego com carteira assinada, 23 obtiveram saldo nulo e 73 registraram saldo negativo de empregos. Além disso, a cidade de Fortaleza destacou-se com a maior geração de vagas de trabalho celetista (1.980 vagas), seguida por Sobral (316 vagas) e Quixeramobim (270 vagas). Contrariamente, os maiores saldos negativos para o mês de abril no Estado foram observados nos municípios de Icapuí (-172 vagas), seguido por São Gonçalo do Amarante (-143), Itapipoca (-97) e Senador Pompeu (-165) – ressalta o analista de políticas públicas Alexsandre Lira Cavalcante.

Das oito atividades pesquisadas no Ceará, seis apresentaram saldos positivos de empregos em abril de 2018. Portanto, dessas atividades, a maior contribuição foi dada pelo setor de Serviços (2.695 vagas), seguida pela Construção civil (372 vagas), Comércio (109 vagas), Indústria da transformação (35 vagas), Extrativa mineral (31 vagas) e APU (13 vagas). Por outro lado, as atividades que apresentaram os maiores fechamento de vagas de trabalho foram: Agropecuária (-115 vagas) e Serviço Industrial de Utilidade Pública (-42 vagas). De acordo com o estudo, a destruição de vagas na Agropecuária já era esperada por fatores sazonais.

Elaborado com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, o trabalho mostra que o Brasil gerou 115.898 postos de trabalho celetistas em abril de 2018[1], ou seja, o maior saldo para o mês desde abril de 2014, quando o país gerou 132.715 empregos com carteira assinada. Os dados obtidos para as cinco grandes regiões do país evidenciam que todas as grandes regiões registraram saldo positivo de empregos, o Sudeste foi novamente a líder na geração de emprego, alcançando o total de 78.074 postos de trabalho, seguido pelo Centro-Oeste (+15.769 empregos), Sul (+13.298 empregos), Nordeste (+4.447 empregos) e Norte (+4.318 empregos).

Clique aqui e acesse o Enfoque Econômico Nº 188 – Desempenho do Emprego Celetista Cearense – Abril de 2018.

Assessoria de Comunicação do Ipece
(85) 3101.3509