Estudo analisa setor de serviços antes e pós-crise

7 de maio de 2018 - 08:21

O setor de serviços cearense registrou desempenho superior ao nacional, especialmente no período pré-crise, ou seja, entre 2011 a 2014. No entanto, após  2014 o volume de vendas dos serviços cearenses apresentou uma queda mais expressiva que o país. A principal estratégia percebida foi o aumento dos preços dos serviços para compensar a retração do volume negociado, o que resultou em maior crescimento da receita nominal de vendas durante o período de crise. Na análise da série fevereiro/2011 a fevereiro/2018, o volume de vendas dos serviços cearenses registrou queda inferior à verificada no país. No entanto, a receita nominal apresentou alta bem mais expressiva que o nacional.

A análise está no Ipece/Informe (nº 125 – maio/2018) – Dinâmica do Setor de Serviços pré e pós-crise: uma análise comparativa por estados brasileiros, que acaba de ser publicada pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Estado. O estudo mostra que o melhor desempenho do Ceará no período pré-crise é explicado pelo desempenho dos Serviços prestados às famílias e pelos Serviços profissionais, administrativos e complementares. Já no período pós-crise o destaque pode ser dado aos Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio.

O autor do trabalho, Alexsandre Lira Cavalcante, analista de Políticas Públicas do Ipece – ele contou com a colaboração do estagiário Heitor Gabriel Silva Monteiro -, ressalta que, na análise mais recente, é possível perceber que todas as atividades apresentaram queda no volume de vendas resultando num resultado negativo comparado ao país. Ele explica que a Pesquisa Mensal dos Serviços (PMS) é realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) e tem como objetivo disponibilizar informações conjunturais do referido setor no Brasil e em mais onze estados e o Distrito Federal. Com a pesquisa, é possível diagnosticar a dinâmica dos serviços através da receita nominal e do volume de vendas, seus patamares e variações.

Para o Analista de Políticas Públicas do Ipece,  com a variação do índice de base fixa da receita nominal e do volume de vendas do setor de  serviços para o Brasil, entre os meses de fevereiro/2011 a fevereiro/2018, é possivel observar que o ano de 2014 é o ponto de inflexão entre o volume de vendas do setor de serviços e seu preço, medido pela receita nominal. “Ou seja, antes de 2014, a receita nominal de vendas do setor de serviços se colocava abaixo do volume de vendas dos serviços”. No entanto, a partir de 2014, a receita nominal de serviços apresentou trajetória crescente puxada pela variação dos preços, enquanto o volume de serviços apresentou nítida trajetória de queda.

Ele afirma que o referido ano é o começo da recente crise brasileira que a partir do segundo trimestre de 2014, segundo o IBGE, tem início a uma série de doze resultados trimestrais negativos e consecutivos do Produto Interno Bruto (PIB) para o país.  Analisando o estado do Ceará, é verificado que o mesmo fenômeno observado a nível nacional, também ocorre no ente federativo. “Assim como no país, o Ceará apresentou uma série de oito resultados negativos consecutivos para o PIB Trimestral, começando no segundo trimestre de 2015 e caindo mais velozmente que o PIB nacional”.

Alexsandre Lira destaca, no entanto, que o patamar do volume de vendas dos serviços cearenses em fevereiro de 2018 (76,7) é ainda ligeiramente menor que o observado no mesmo mês em 2011 (76,9), uma queda de 0,3, ou seja, o Ceará se encontra no mesmo patamar de transação de serviços que o observado há sete anos. Por outro lado, a receita nominal de vendas dos serviços cearenses também foi afetada pela escalada de preços do referido setor o que também compensou a queda no volume de transações.

Clique aqui para acessar o Ipece Informe Nº 125 – Dinâmica do Setor de Serviços pré e pós-crise: Uma análise comparativa pós-crise: Uma análise comparativa por estados brasileiros por estados brasileiros.

Assessoria de Comunicação do Ipece
(85) 3101.3509