IPCA na RMF não apresenta variação em fevereiro de 2018, mas acumulado nos últimos 12 meses é de 1,69%

26 de março de 2018 - 09:32

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) não apresentou, em fevereiro deste ano, variação, ficando em 0,00 por cento, mas em igual mês de 2017 tinha ficado em 0,30 por cento. O IPCA nacional ficou em 0,32 por cento, apresentando, portanto, uma leve aceleração em relação a janeiro, quando havia registrado 0,29 por cento. Na RMF, o acumulado dos últimos 12 meses registra forte desaceleração tendo fechado em 1,69 por cento até fevereiro de 2018. O IPCA nacional apresenta a mesma desaceleração: ficou em 2,84 por cento, o menor para o período desde 1999 (2,24 por cento), de acordo com o IBGE.

Os números estão no Termômetro da Inflação ( Volume 01) – nº 03/2018 -, que acaba de ser publicado pelo Instituto de Pesquisa e estratégia Econômica do Ceará (Ipece), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Estado. Dentre as 13 cidades/regiões metropolitanas pesquisadas, Fortaleza, com o índice de fevereiro, apresentou o melhor resultado. Mas no acumulado (últimos 12 meses), o Estado ocupa o terceiro lugar no ranking (1,69 por cento), atrás de Belém, com 1,07 por cento, e Brasília, com 1,60 por cento. Goiânia tem o maior índice: 4,08 por cento.

O Grupo Alimentação, em fevereiro de 2018, voltou a apresentar recuo de preços, tanto na RMF como Nacional, respectivamente de  0,63 por cento e de 0,33 por cento. No acumulado (12 meses), a RMF fechou em queda de 3,59 por cento e nacional de 1,37 por cento. O Grupo Educação pressionou o IPCA registrando 3,89 por cento no nacional e 4,22 por cento na RMF. Essa alta é resultante dos ajustes habitualmente praticados no início do ano letivo, em especial os aumentos nas mensalidades dos cursos regulares.

Já a queda do Grupo Alimentação foi influenciada pelos alimentos para consumo em casa. No IPCA nacional, aqueda foi de 0,61 por cento, enquanto na RMF o recuo foi de 0,68 por cento. Essa queda mais intensa dos itens que compõem o Grupo Alimentação na RMF adicionado ao seu maior peso na composição do índice tem provocado uma queda ainda maior do IPCA da RMF quando comparado ao IPCA do Brasil.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) se refere às famílias com rendimento monetário de um a cinco salários mínimos. É calculado também para dez regiões metropolitanas, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande e Brasília, que são as mesmas áreas geográficas que abrange o IPCA.  Em fevereiro de 2018 o INPC na RMF apresentou leve alta de 0,04 por cento com relação a janeiro. No mês de 2017 o índice havia registrado alta 0,24 por cento. No nacional, a aceleração foi de 0,18 por cento, com relação a janeiro.

Clique aqui para acessar o Termômetro da Inflação – Vol. 1 ‐ edição nº 03

Assessoria de Comunicação do Ipece
(85) 3101.3509