Cai para 10 número de municípios cearenses classificado como de baixo desenvolvimento social

12 de dezembro de 2017 - 13:17

O Índice de Desenvolvimento Social (IDS-Resultado), que juntamente com  o IDS-O (Oferta) compõem o IDS, revela que, no período de 2012 a 2015, ocorreu uma redução no número de municípios classificados com o conceito Baixo Desenvolvimento Social, caindo de 34 municípios, em 2012, para 10  em 2015. Também é possível constatar que antes de 2014 nenhum município cearense estava classificado no conceito Alto de Desenvolvimento Social. Porém, em 2015, Eusébio e São Gonçalo do Amarante alcançaram desempenho social relativamente alto, colocando-os nessa categoria. Sete estão como Médio-Alto Desenvolvimento Social.

A classificação dos municípios cearenses está no Índice de desenvolvimento Social dos Municípios Cearenses: IDS 2012/2015, publicado pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Estado. Mas apesar de que na série analisada tenha ocorrido uma melhora na classificação entre os municípios cearenses, o estudo mostra que, pelas informações apresentadas, a grande maioria ainda se encontra no conceito Médio-Baixo de Desenvolvimento Social: 165 dos 184 municípios do Estado.

Os dez melhores municípios cearenses de acordo com o IDS-R são: Eusébio (0,918); São Gonçalo Amarante (0,805);  Maracanaú  (0,739); Horizonte (0,728) Sobral (0,707); Quixeré  (0,659); Guaramiranga (0,659); Paracuru (0,659);  Aquiraz (0,658)  e Frecheirinha (0,643). Os dez piores: Boa Viagem (0,497); Aiuaba (0,494); Alto Santo (0,492);  Umari (,492);  Ipueiras (0,487); Icó (0,486); Mulungu (0,479);  Ipaumirim (0,478); Pereiro (0,474) e Acarape (0,473). Os municípios que mais avançaram naquele período foram (número de posições): Barbalha, Araripe; Pacujá, Altaneira, Aracati; Cariré; Ararendá; Jati; Jaguaruana e Piquet Carneiro, enquanto os dez que mais retrocederam foram Mombaça; Santana do Cariri; Cedro; Pereiro; Ibicuitinga, Mulungu, Choró; Alto Santo; Jaguaretama e Ipaumirim.

Na distribuição do número de municípios classificados atribuído aos valores do Índice de Desenvolvimento (IDS-Oferta),  o documento conclui que houve uma diminuição na quantidade de municípios qualificados como médio-baixo desenvolvimento social em -78 por cento. Já o número de municípios qualificados com o conceito Alto Desenvolvimento Social aumentou no período 2012-2015, passando de 19 para 31, apesar da redução no ano de 2014. Pode-se perceber que ocorreu uma concentração de municípios no conceito Médio-Alto Desenvolvimento Social, de 149 para 150, provavelmente em função do avanço de municípios que antes eram classificados no Médio-Baixo Desenvolvimento Social.

Os dez municípios em melhor situação com o IDS-Oferta são: Barbalha (0,855); Cedro (0,842);; Pacujá (0,840); Brejo Santo (0,832); Antonina do Norte (0,832); Sobral (0,831); Nova Olinda (0,829); Limoeiro do Norte (0,827); Catarina (0,827) e Santana do Acaraú (0,826). Os dez piores: Parambu (0,672); Cascavel (0,672); Umirim (0,669); Ibaretama (0,666); Camocim (0,652); Salitre (0,652); Amontada (0,652); Milhã (0,635); Granja (0,627) e Senador Sá (0,623). Os municípios que mais avançaram (número de posições) foram: Iguatu, Caririaçu, Pedra Branca, Baixio, Croatá, Ocara, Itatira, Alcântara, Pacujá e Porteiras. Os que mais retrocederam: São Gonçado, Jati, Reriutaba, Pacatuba, Meruoca, Independência, Tarrafas, Irauçuba, Groaíras e Pires Ferreira.