Economia cearense volta a registrar saldo positivo de postos de trabalho em junho de 2017

19 de julho de 2017 - 12:06

O Ceará voltou a registrar saldo positivo de empregos (com carteira assinada) no mês de junho de 2017 (+133 vagas), após registrar três meses consecutivos de fechamento de postos de trabalho . Em junho de 2014, o Estado havia registrado fechamento de 199 postos de trabalho; em junho de 2015 criou 1.296 vagas e em junho de 2016 voltou a fechar 1.664 vagas. É o que constata o Enfoque Econômico Desempenho do Emprego Celetista (nº 149 – junho de 2017) do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), que já pode ser acessado no www.ipece.ce.gov.br.

A economia cearense – seguindo a recuperação, embora ainda tímida,  dos empregos com carteira assinada no Brasil, que ocorreu principalmente no segundo trimestre do ano de 2017, quando o país registrou saldo positivo de 119.450 vagas. também revelou que o segundo trimestre deste ano foi melhor que o primeiro. O Ceará apresentou menor fechamento de postos de trabalho celetista, também na comparação com os  mesmos trimestres do ano de 2016. Isso revela sinais de desaceleração do ritmo de fechamento de postos de trabalho com carteira assinada na maiora dos setores da economia cearense.

O saldo positivo de empregos cearense em junho de 2017 deveu-se principalmente a forte contratação ocorrida no setor da Agropecuária (+246 vagas), seguida pela geração de postos de trabalho no Comércio (+149 vagas) e nos Serviços industriais de utilidade publica (+134 vagas). Os Serviços (+31 vagas) e a Indústria extrativa mineral (+1 vaga), também deram sua contribuição. Por outro lado, a Indústria de transformação fechou 282 vagas de trabalho, seguida da Administração pública com outras 87 vagas e da Construção civil (-59 vagas), o que impediu um saldo positivo mais significativo.

Na análise trimestral dos empregos por setores, é possível notar que o segundo trimestre foi relativamente melhor que o primeiro, em especial para a Agropecuária que passou de um saldo negativo para um saldo positivo de empregos, em decorrência do período de colheita, quando se abre mais vagas de empregos. A Construção civil, o Comércio e os Serviços continuaram a destruir vagas num ritmo bem menos intenso.

Enquanto isso, a Administração pública manteve um ritmo de contratações positivo nos dois trimestres. Por outro lado, a Indústria de transformação acentuou o ritmo de demissões.  Na comparação com o segundo trimestre de 2016, chama atenção o setor de Serviços que passou a apresentar saldo negativos de empregos. A Construção civil apresentou forte redução do ritmo de demissões, com sinais de uma possível retomada do setor. O documento foi elaborado pelos analistas Alexsandre Lira Cavalcante e Ana Cristina Lima Maia, ambos da Diretoria de Estudos Econômicos (DIEEC), dirigida por Adriano Sarquis.

Clique aqui e acesse o Enfoque Econômico Nº 149 – Desempenho do Emprego Celetista – Junho de 2017

 

19.07.2017

Assessoria de Comunicação do Ipece
Pádua Martins
padua.martins@ipece.ce.gov.br