Secretarias e Órgãos

Telefones úteis

Redes Sociais

voltar imprimir
Aumentar texto Diminuir texto
Números de decolagens aéreas e pousos no Ceará crescem 25,67% e 26,24%, respectivamente, entre 2007 e 2017
Qua, 06 de Junho de 2018 10:05

O número de decolagens aéreas que teve como origem o estado do Ceará cresceu 25,67 por cento, passado de 18.981 decolagens em 2007 para 23.854 em 2017. Mesmo assim, o Estado apresentou perda de participação no total de decolagens nacionais, que registou aumento de 26,81 por cento, mas ganhou na participação dentro da região Nordeste, que passou por incremento levemente inferior, de 24,76 por cento. A América do Sul, incluindo o Brasil, claro, foi o principal destino das decolagens cearenses (97,99 por cento) em todos os anos analisados (de 2007 a 2077), seguido pela Europa, América do Norte, África, Ásia e América Central.

Já o número de pousos registrados em aeroportos cearenses saltou de 18.893 pousos, em 2007, para 23.851 em 2017. Ou seja, uma elevação de 26,24 por cento no período, revelando perda de participação nacional que registrou crescimento levemente superior de 26,81 por cento, mas ganho na região Nordeste, que obteve evolução inferior 24,73 por cento na mesma comparação. Os voos que chegam ao Ceará partiram principalmente da América do Sul, com 23.359 decolagens e participação de 97,94 por cento em 2017. Na sequência, voos vindos da Europa (390 decolagens; 1,64 por cento); América do Norte (52 decolagens; 0,22 por cento) e África, com 50 decolagens e 0,21 por cento.



Já o número de decolagens aéreas que teve como origem o aeroporto de Fortaleza (SBFZ) entre os anos de 2007 e 2017 foi de 18.053, aumentando esse número para 20.773 em 2017. O crescimento no período foi de 15,07 por cento, inferior ao registrado pelo Ceará (25,67 por cento), região Nordeste (24,76 por cento) e Brasil (26,81 por cento), revelando perda de participação no total de decolagens aéreas dentro do estado, região e país.Os dados estão no Ipece Informe (nº 129) – junho/2018 – Perfil da aviação aérea no Brasil: uma análise da dinâmica das decolagens aéreas por regiões e estados no período de 2007 a 1017, que acaba de ser disponibilizado pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do estado do Ceará.


O autor do trabalho, o analista de Políticas Públicas Alexsandre Lira Cavalcante, que contou com a colaboração do estagiário Heitor Gabriel Silva Monteiro, observa que, em termos absolutos, o incremento foi positivo de 2.720 decolagens entre os anos de 2007 e 2017, mas inferior ao incremento observado para o Ceará, que foi de 4.873, revelando que outros aeroportos responderam pelas demais 2.153 decolagens, sendo 2.007 partindo do aeroporto de Juazeiro do Norte e 146 decolagens do aeroporto de Jijoca de Jericoacoara, que começou a funcionar a partir de 2017. E o principal destino das decolagens, partindo do aeroporto de Fortaleza, foi o continente América do Sul, que registrou aumento de participação no período, passando de 97,2 por cento, em 2007, para 97,7 por cento, em 2017. Em seguida, a Europa (416 decolagens; 2,0 por cento); América do Norte  (50 decolagens; 0,24 por cento) e África (14 decolagens; 0,07 por cento).



EM FORTALEZA

Já o número de pousos ocorrido em Fortaleza, em 2007, foi de 17.971, aumentando para 20.773 em 2017. O crescimento registrado no período foi de 15,59 por cento, inferior ao registrado no Estado (26,24 por cento); região Nordeste (24,73 por cento) e Brasil (26,81 por cento). Com isso, também em relação ao número de pousos, o aeroporto de Fortaleza perdeu participação dentro do estado, região e país. A principal origem dos voos que chegam ao aeroporto de Fortaleza é o continente da América do Sul (20.281 decolagens; 97,63 por cento), seguido pela Europa (390 decolagens; 1,88 por cento); América do Norte (52 decolagens; 0,25 por cento) e África (50 decolagens; 0,24 por cento).

O crescimento do número de voos chegando ao aeroporto de Fortaleza foi de 15,59 por cento, também inferior ao registrado pelo o Ceará, que foi de 26,24 por cento, e o incremento observado em Fortaleza foi de 2.802 pousos e o do Estado de 4.958 pousos, mostrando que outros aeroportos no Ceará registraram também incremento no número de pousos, num total de 2.156, sendo 2.010 no aeroporto de Juazeiro do Norte e 146 pousos no aeroporto de Jericoacoara. A maior expansão na década ocorreu dentro da América do Sul com incremento de 2.766 pousos, seguido de 49 pousos provenientes da América do Norte e 15 para a Europa. Destaca-se a retração no número de pousos oriundos do continente africano no último ano da série, confirmando a mudança de estratégia de voo por parte das empresas aéreas que fazem esse trajeto.

O principal destino das decolagens aéreas partindo do aeroporto de Fortaleza é o próprio Brasil, que em 2007 registrou 17.532 decolagens, aumentando para 20.134 em 2017. Ou seja, um crescimento de 14,84 por cento e um incremento de 2.602 voos partindo da capital cearense. Mesmo com aumento no número de decolagens com destino outros aeroportos brasileiros, a participação para esse destino caiu levemente: de 97,11 por cento em 2007 para 96,92 por cento, em 2017. Isso significa que apenas 3,08 por cento das decolagens ocorridas a partir do aeroporto de Fortaleza foram internacionais. Na sequência aparecem Portugal (325 decolagens; 1,56 por cento); Argentina (59 decolagens; 0,28 por cento); Colômbia (52 decolagens; 0,25 por cento); Alemanha (51 decolagens; 0,25 por cento) e EUA (50 decolagens; 0,24 por cento) em 2017. Vale destacar a redução no número de decolagens para Portugal entre os anos de 2007 e 2017 em 63 decolagens.

Por outro lado, Argentina, Colômbia e Alemanha surgiram como novos destinos dos voos partindo do aeroporto de Fortaleza, especialmente a partir de 2014. Ademais, destaca-se ainda o expressivo incremento no número de voos para os EUA (+44 decolagens), Guiana Francesa (+26 decolagens) e Itália (+14 decolagens) e a queda expressiva dos voos com destino a Cabo Verde (-65 decolagens) explicado por uma mudança estratégica da empresa que chega a Fortaleza, vai primeiro para Recife e depois parte para Cabo Verde no continente africano, o chamado voo triangular.



EMPRESAS AÉREAS

O estudo também analisa a evolução do número de decolagens aéreas por empresas que tem partindo do Ceará entre os anos de 2007 e 2017. Diferentemente do país e da região Nordeste, quando a empresa Azul liderou o número de decolagens, a empresa Gol assume essa posição respondendo pelo maior número de voos que se iniciam no Estado, tendo realizado 6.790 decolagens e uma participação de 28,46%. Logo, em seguida, vêm as empresas Latam Airlines Brasil (6.307 decolagens; 26,44 por cento); Avianca (5.350 decolagens; 22,43 por cento) e Azul (4.599 decolagens; 19,28 por cento) para listar as quatro maiores. A participação conjunta dessas quatro empresas era de 42,67 por cento, haja vista as empresas Gol e Azul não realizaram decolagens nesse período. Em 2017, a participação dessas quatro empresas saltou para 96,61 por cento do total de decolagens partindo do estado do Ceará, revelando a forte concentração por empresas na aviação aérea cearense.

Em 2007, um total de 14 empresas diferentes realizaram pousos nos aeroportos cearenses. Em 2017, esse número aumentou para 16 empresas, metade do registrado no Nordeste (35 empresas) e um sexto do Brasil (97 empresas). Já com relação ao número de decolagens aéreas por empresas que tem como destino o Ceará entre os anos de 2007 a 2017, a empresa Gol novamente responde pelos principais voos que chegam ao Ceará, num total de 6.795 decolagens e uma participação de 28,49 por cento do total, seguida pelas empresas Latam Airlines Brasil (6.307 decolagens; 26,44 por cento); Avianca (5.350 decolagens; 22,43 por cento) e Azul (4.592 decolagens; 19,25 por cento). A participação conjunta dessas quatro empresas aumentou de 42,88 por cento, em 2007, para 96,62 por cento, em 2017.

Em 2017, o número de empresas realizando decolagens aéreas a partir do aeroporto de Fortaleza aumentou para dezesseis empresas. A empresa Latam Airlines Brasil passou a ocupar a liderança, com um total de 6.307 decolagens, e uma participação de 30,36 por cento dos voos. Na sequência aparecem as empresas Gol (6.272 decolagens; 30,19 por cento); Azul (3.808 decolagens; 18,33 por cento) e Avianca (3.578 decolagens; 17,22 por cento). A participação conjunta dessas quatro empresas foi de 96,11 por cento do total de decolagens partindo do aeroporto de Fortaleza. O número de empresas que realizaram pousos no aeroporto de Fortaleza também foi crescente ao longo dos anos, finalizando a série com um total de dezesseis empresas (eram 14 em 2007).

Ao analisar a evolução do número de decolagens aéreas das quinze principais empresas, tendo como destino o aeroporto de Fortaleza (SBFZ) entre os anos de 2007 a 2017, a Latam Airlines Brasil ocupou a liderança no número de decolagens aéreas para Fortaleza, tendo realizado um total de 6.307 pousos no referido aeroporto, com uma participação de 30,36 por cento, seguida pela Gol (6.277 decolagens; 30,22 por cento); Azul(3.804 decolagens; 18,31 por cento) e Avianca (3.578 decolagens; 17,22 por cento), para listar as quatro principais. A participação conjunta dessas quatro empresas era de 43,90 por cento, em 2007, aumentando para 96,12 por cento, em 2017, dado que as empresas Gol e Azul não registraram decolagens no primeiro ano.

Clique aqui para acessar o Ipece Informe Nº 129 - Perfil da Aviação Aérea no Brasil: Uma análise da dinâmica das decolagens aéreas por regiões e estados no período de 2007 a 2017.


Assessoria de Comunicação do Ipece
(85) 3101.3509
Números de decolagens aéreas e pousos no Ceará crescem  25,67% e 26,24%, respectivamente, entre 2007 e 2017
 

Calendário

Junho 2018
D 2a 3a 4a 5a 6a S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30